O presidente americano, Donald Trump, autorizou um ataque que foi classificado pelas autoridades cubanas como “terrorismo contrarrevolucionário imperialista”. A Força Aérea dos Estados Unidos começou a jogar pendrives,